quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Iemanjá

ETIMOLOGIA

Na língua Yorubá, IEMANJÁ quer dizer: Mãe das Águas ou Rainha das Águas (de toda a água existente no planeta).

Diz a lenda, que após ter sido abandonada por seus filhos: OXÓSSI e OGUM, YEMANJÁ desesperada tranformou-se no Rio Ogun (não confundir com o orixá), que fica situado na Nigéria. É lá que dizem morar IEMANJÁ.

É a senhora das grandes águas: dos oceanos de águas salgadas, rios, lagos, fontes, etc. Ela é toda água, onde tudo se originou.

Quando da formação do planeta diz o Gênesis: "...e o espírito de DEUS pairava sobre as águas". Em significativa alusão à origem da vida nos mares.

Na Biologia, entre várias teorias que pretendem explicar a origem da vida na Terra, uma das mais aceitáveis por sua colocação é a denominada " dos coacervados", ou seja, a formação inicial de uma célula primitiva (pois ainda não teria todos os componentes característicos da célula definitiva), mas possuindo um princípio vital e isto ocorreu nos oceanos. E os oceanos são o domínio da Grande Mãe.

Na África, uma lenda antiga conta que quando havia excassez de água era porque YEMANJÁ dormia. O africano então orava para acordar IEMANJÁ e no momento em que ela despertava e ao se voltar da esquerda para a direita as fontes passavam a jorrar.

Dos Orixás cuja vibratória estende-se ao elemento água, é IEMANJÁ o mais cultuado, mesmos nos locais mais afastados do litoral.

Poderíamos afirmar, sem medo de errar, que ela é a maior demonstração popular religiosa do Brasil, principalmente nas passagens de ano e no dia 02 de Fevereiro, na Bahia. É um Orixá que tem a sua crença disseminada no mundo inteiro, até mesmo entre as pessoas que não professam o culto afro. Suas lendas são milenares e universais, se espalham entre os pescadores, nos mares, grandes rios, lagos inferiores, etc.

IEMANJÁ, é representada por uma figura de sereia, isto é, metade mulher e metade peixe. É uma mulher lindíssima, muito vaidosa e possui longos cabelos que ultrapassam a linha da cintura e os quais ela adora pentear mirando-se ao espelho. Quando canta, a sua voz é tão harmoniosa, que desperta a curiosidade dos que a escutam e são atraídos para junto dela, indo parar no fundo do mar. Na Umbanda, um ponto reproduz bem a lenda:

" Eh ! Iemanjá...Eh ! Iemanjá...
Rainha das águas...Sereia do mar...
O lindo canto de Iemanjá, que faz o pescador sonhar,
Quem escuta a Mãe D´Água cantar, vai com ela pro fundo do mar"

No Brasil, de acordo com a localidade em que é cultuada, recebe cognomes diferentes, como por exemplo: Rainha do Mar; Mãe D´Água; Sereia; Yara; Mãe dos Pescadores; Mãe das Águas Salgadas; Rainha do Aiaocá; Mãe Guiomar; Janaína, etc.

Na Bahia, o povo tem muito respeito quando vai à Lagoa do Abaeté, que possui águas escuras cercada de areias brancas, dizem que lá mora Mãe Guiomar, outro cognome de IEMANJÁ.

No dia 02 de Fevereiro, na Bahia, às margens do Rio Vermelho, realiza-se uma das festas mais tradicionais do povo baiano em que é homenageada a Mãe dos Pescadores - a doce IEMANJÁ.

As pessoas trazem muitos balaios enfeitados com flores e dentro deles: perfumes, bijuterias, espelhos, pentes, bonecos, fitas e etc, que são previamente depositados em um altar erigido em louvor à Rainha do Mar. Os saveiros estão prontos para receber e conduzir os presentes para o alto mar, onde serão depositados e entregues à IEMANJÁ. E lá se vão, mar a dentro, os barcos todos enfeitados com bandeiras e flores. Após a entregua, IFÁ é consultado, e através de seus búzios IEMANJÁ, diz se aceitou ou não os presentes a ela destinados. Se a resposta é positiva, o primeiro barco a retornar é recebido com aplauso da multidão e o estourar dos foguetes. A festa estende-se por toda a noite. Nos Candomblés, os ILÚS (Atabaques) ressoam acompanhando os cânticos a ela oferecidos e os filhos de santo, se postam de joelhos enquanto que o público fica de pé em sinal de respeito superior à Sublime Mãe.

SINCRETISMO - Rio de Janeiro: Nossa Senhora da Glória; Na Bahia: Nossa Senhora dos Navegantes ; São Paulo: Nossa Senhora da Conceição

CONTAS - Cristal Branco transparente / Azul Claro

SÍMBOLO - Abebé de Prata (Leque) e Espada

DANÇA - Coreografia semelhante ao movimento das ondas do mar

DIA DA SEMANA - Sábado
FLORES - Rosas Brancas; Jasmim; Flores com tonalidade azul

FRUTAS - Melancia; Mamão, etc
COMIDAS - Canjica Branca; Manjá,; Arroz Doce com mel, etc

BEBIDAS - Água de Côco; Champanhe; Mel

ELEMENTO - Água

SAUDAÇÃO - ODÔ IYÁ !

INFLUÊNCIA DO ORIXÁ SOBRE SEUS FILHOS (ARQUETIPO)

POSITIVAS - Quando predomina a influência do Orixá. Os filhos são criativos, destemidos, simpáticos, de boa aparência e dedicam-se com muito amor às profissões ligadas às crianças. São maternais e se interessam por tudo ligado à perpetuação da vida.

NEGATIVAS - Quando prevalece o livre arbítrio mal orientado, são insensíveis, tem medo de tudo, cruéis e muito orgulhosos.

Na Umbanda, IEMANJÁ é um Orixá muito festejado e conceituado.

Seus filhos se destacam por suas características harmônicas e racionais. Trabalham mediunicamente em descargas e desobsessão quando incorporados com os enviados deste Orixá. Irradiam calma e equilíbrio à tarefa espiritual a que se dedicam.

Seria impossível a vida na Terra, sem a vibração espiritual de IEMANJÁ.

ODÔ IYÁ !

Um comentário:

Ellen disse...

Adorei essa historia cada dia me surpreendo mais com a historis da minha mãe. Bjs